quinta-feira, 24 de maio de 2018

Temer no poder: De quem é a culpa?

O protesto dos caminhoneiros por todo o Brasil está fazendo com que o presidente Michel Temer, cada vez mais afundado, seja jogado feito bola de pingue-pongue por grupos de direita e grupos de esquerda, cada um responsabilizando o outro pela subida dele ao Palácio do Planalto. Por sinal, Temer enfrenta críticas dos dois grupos, fazendo com que eles tenham um discurso afinado de apoio aos caminhoneiros. Mas quem tem culpa pela ascensão de Temer? A DIREITA ou a ESQUERDA?

Sabemos que em 2010, o então presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB), foi escolhido para ser o candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff (PT), candidata de Lula, que estava deixando o Governo. A Esquerda na época cedeu às chantagens e aos números que o PMDB sempre representou e Dilma andou a tiracolo com ele, parceria essa que se repetiria em 2014.

Em 2016, porém, com o impeachment, apoiado pela Direita brasileira, Temer foi alçado à condição de chefe da Nação. Qual a observação nisso tudo?

Sabemos que o presidente é eleito, e o vice é seu eventual substituto, portanto, é um risco assumido. Dilma e o PT assumiram o risco. Vários presidentes na História não terminaram o mandato, a exemplo de Deodoro da Fonseca, Afonso Pena, Washington Luís, Getúlio Vargas, Café Filho, Carlos Luz, Jânio Quadros, João Goulart, Costa e Silva, Fernando Collor e a própria Dilma Rousseff. Com exceção de Washington Luís (deposto por um golpe), Café Filho e Carlos Luz (que já eram da linha de sucessão de Vargas, assim como Nereu Ramos, que assumiria o resto do mandato até o fim), João Goulart (já vinha de uma vice e caiu com o Golpe de 64), Costa e Silva (seu mandato foi extinto), todos os outros foram substituídos pelos vices. E o que falar de Rodrigues Alves eleito pela segunda vez em 1918 e Tancredo Neves, em 1985, que morreram antes de tomar posse, sendo substituídos pelos vices Delfim Moreira e José Sarney, respectivamente?

A Constituição de 1988 fala claramente em voto unido, entre presidente e vice, onde o vice é eleito na mesma chapa, automaticamente (tal coisa visava evitar que o presidente e o vice fossem de chapas diferentes, como ocorreu em 1960, quando foram eleitos Jânio Quadros e João Goulart, que eram de chapas diferentes.

Portanto, o vice é o substituto natural do presidente. A Esquerda assumiu esse risco ao colocar Temer como vice de Dilma. Mas a Direita também assumiu um risco ao derrubar a Dilma e fazer Temer chegar ao poder. Temer chegou com a ajuda indireta da Esquerda e a ajuda direta da Direita. Portanto, ambos têm suas parcelas de responsabilidade, sim, e podem colocar em suas contas o Temer na presidência.

A solução seria a Reforma Política, tão temida por eles. Aliás, o vice só deveria assumir mesmo em caso de renúncia ou morte do presidente, mas em caso de impeachment, deveria cair junto. Ou senão voltar como era antes, do vice ser eleito separadamente e também ser escolhido direito pelo povo. Assim, nenhum dos dois lados estaria brigando para dizer que o outro é culpado por Temer está lá. O famoso TOMA QUE O FILHO É TEU, QUE EU NÃO TENHO NADA A VER COM ISSO...





PUBLICIDADE

Nenhum comentário:

Postar um comentário