segunda-feira, 14 de maio de 2018

Mais uma opção liberal: João Amoêdo tenta a presidência pela primeira vez.

Um dos fundadores do Partido Novo, partido este que presidiu até 2017, o empresário João Amoêdo,
 assim como Flávio Rocha, se coloca como defensor do liberalismo econômico. O jovem empresário, nascido no Rio de Janeiro a 22 de outubro de 1962, construiu sua carreira no mundo empresarial,
sendo que em 1988, foi convidado para trabalhar no Banco BBA-Creditansalt S.A que estava se formando no Brasil, onde foi gerente comercial, Diretor Regional e, mais tarde, Diretor Executivo. 


Em 1999, assumiu a  gestão  da financeira do banco, a Fináustria. Como parte do acordo para gerir a Financeira João adquiriu 23% das ações da empresa. Sob a sua gestão, a empresa, que em 1999 estava deficitária em suas contas, foi renovada e passou a ter lucro. Na sua administração, a empresa foi eleita uma das 100 melhores para se trabalhar, no Brasil, pela revista Exame. Em 2002, a Fináustria foi vendida por 4 vezes o seu valor patrimonial para o Banco Itaú. Em 2004, Amoêdo foi convidado para assumir a vice-presidência do Unibanco.
Em 2005, deixou as tarefas executivas e foi eleito membro do conselho de administração do Unibanco, e, em 2009, foi eleito membro do conselho de administração do Itaú-BBA, cargo que ocupou até 2015. Atualmente é membro do Conselho de Administração da João Fortes, função que ocupa desde 2011.
Amoêdo é sócio do Instituto de Estudos de Política Econômica/Casa das Garças (IEPE/CdG) e colunista do jornal Folha de São Paulo. 

Em sua plataforma, Amoêdo defende o liberalismo econômico e se coloca contra a intervenção estatal na economia. 

Amanhã, falaremos aqui sobre João Vicente Goulart, Manuela D'ávila e Rodrigo Maia.



PUBLICIDADE




Nenhum comentário:

Postar um comentário