segunda-feira, 14 de maio de 2018

Geraldo Alckmin será candidato à Presidência pela segunda vez

Assim como muitos pré-candidatos à presidência da República, Geraldo Alckmin também não é novo nessa postulação. Ele já disputou a Presidência em 2006, perdendo no segundo turno para Lula. Geraldo Alckmin, por curiosidade, é conterrâneo de Ciro Gomes, nascido ambos na cidade de Pindamonhangaba.

Geraldo nasceu em Pindamonhangaba (SP), em 7 de novembro de 1952. Em toda a sua trajetória política, passou apenas por MDB, PMDB e foi um dos fundadores do PSDB, em 1988, partido onde está até os dias atuais. Sua vida política se caracterizou por uma ascensão na carreira, desde vereador, passando por prefeito, deputado estadual, deputado federal, vice-governador e governador.

Geraldo foi eleito vereador de Pindamonhangaba pelo MDB no ano de 1972, cumprindo o mandato entre 1973 e 1977. Em 1976, foi eleito prefeito de Pindamonhangaba, sendo o mais jovem prefeito da história da cidade, na época, com apenas 24 anos. Foi prefeito entre 1977 e 1982. Entre 1983 e 1987, foi deputado estadual por São Paulo. A partir de 1987 até 1995, foi deputado federal por São Paulo.

Em 1994, foi eleito vice-governador de São Paulo, na chapa de Mário Covas, que foi reeleito em 1998. Entretanto, em 2001, com a morte de Mário Covas por causa de um câncer, Geraldo assume definitivamente o Executivo estadual.

Em 2002, Geraldo foi eleito (ou reeleito para alguns), governador de São Paulo, cargo que ocuparia até 2006, quando tenta subir na carreira mais uma vez, sendo candidato a presidente. Mesmo com a alta popularidade de Lula, Geraldo consegue ir ao segundo turno contra Lula, mas não consegue ser eleito.

Em 2010, Alckmin volta a ser eleito governador de São Paulo, sendo reeleito em 2014. Em abril de 2018, renuncia ao mandato, passando ao vice, Márcio França (PSB), para se candidatar à Presidência da República pela segunda vez. Alckmin é o político que mais tempo comandou o governo de São Paulo desde a redemocratização. Atualmente, é o presidente nacional do PSDB, substituindo Aécio Neves.







PUBLICIDADE


Nenhum comentário:

Postar um comentário